quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Treinamento funcional para melhorar sua corrida

Saiba mais sobre os exercícios funcionais, que além de trabalharem diversos grupos musculares, melhoram a resistência do corpo e ajudam na prevenção de lesões


Por Fernanda Silva

O treinamento funcional consiste em uma série de exercícios físicos que têm como base os movimentos cotidianos de qualquer pessoa, seja ela atleta ou não. Além de melhorar todo o condicionamento físico, a atividade leva o praticante a realizar diversos movimentos – inclusive os da corrida - de maneira mais eficiente, pois trabalha a força, a resistência, a coordenação, a flexibilidade e o equilíbrio, respeitando sempre os objetivos e os limites de cada um.

“Movimentos de puxar, agachar, levantar, erguer, empurrar, estender, flexionar alguma parte do corpo, utilizando a própria resistência dos membros e/ou com ajuda de resistências externas, com ou sem ponto fixo ou de equilíbrio, fazem parte do treinamento funcional”, explica o coordenador de Treinamento Funcional do Espaço MAXIMA, Leonardo Carlos Barbosa, diretor da Haka Race Corrida de Aventura.

Por ser um trabalho individualizado, o treinamento pode ser praticado por qualquer pessoa, desde o sedentário até o idoso, basta procurar um profissional de educação física especializado nesta área. “No caso do sedentário, é ainda mais indicado, pois como ele não tem o hábito de movimentar-se tanto, de certa forma os exercícios básicos do dia-a-dia, como ir até a padaria à pé ou subir uma escada, podem se tornar cada vez mais difíceis”, completa Barbosa. Para os idosos também é uma boa pedida – desde que haja liberação médica, pois melhoram suas capacidades físicas e, com isso, elevam a qualidade de vida.

Aliado da corrida
Para os corredores, o treinamento funcional traz inúmeros benefícios, independente do nível do atleta e da distância a ser percorrida, já que atua na melhora do desempenho. “A economia de energia é um ponto importante, já que o treino para o corredor prioriza o equilíbrio entre as partes do corpo, o fortalecimento geral e específico, trabalho de propriocepção e equilíbrio dinâmico, pliometria etc., melhorando a performance geral”, explica o treinador do Core 360° - Treinamento Funcioanl, Allan de Menache, preparador físico do Instituto Marazul, em São Paulo.

Além disso, a prática destes exercícios funcionais ajuda o atleta a prevenir lesões, pois fortalece os músculos sinergistas, aqueles que dão suporte à ação e auxiliam o movimento. “Esse tipo de treinamento estimula vários músculos, pois trabalha com instabilidade no solo, ativando grupos musculares menores e mais profundos, dando ao praticante uma melhor sustentabilidade articular e muscular”, acrescenta Barbosa. O único cuidado é com relação aos dias de treino de cada modalidade, para que o treinamento funcional possa aprimorar a atividade principal: a corrida.

Benefícios
Melhora a mobilidade e a postura
Devido ao tipo de movimentos trabalhados, o treinamento ajuda a prevenir dores relacionadas com o estresse e cansaço no dia a dia, no trabalho e até nas práticas esportivas.

Proporciona um corpo mais bonito e saudável
“Resultados estéticos positivos são consequência de um treinamento funcional, pois como trabalha o corpo como um todo durante a realização dos exercícios, focando os movimentos e não os músculos em si, o gasto calórico é muito alto”, revela Menache.

Aumenta a autoestima
As tarefas funcionam como um desafio para o praticante, ajudando-o a superar seus limites. O treinamento funcional resgata a capacidade do indivíduo em utilizar seu corpo da forma mais eficiente possível.

Melhora o condicionamento físico geral, aprimorando também outros esportes
Melhora a capacidade aeróbia, a coordenação motora, o equilíbrio, a força muscular e a resistência física. Por trabalhar várias partes do corpo, ajuda atletas a melhorarem seu desempenho em outras modalidades.

Exemplos:
Membros inferiores – corrida, futebol;
Antebraço, ombro, costas – tênis;
Equilíbrio, posteriores de coxa e peitoral – surf.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012





Devido a movimentos cíclicos e repetitivos, a corrida provoca impacto dos pés no solo. Saiba quais os tipos de lesão mais comum neste esporte que cada vez mais desperta o interesse nas pessoas.


Fasceíte Plantar :
Caracterizada por dor na sola do pé. A causa está relacionada com falta de flexibilidade do tecido da fáscia plantar e pela rigidez da musculatura da panturrilha. O alongamento é a melhor forma de prevenir  este tipo de lesão.

Tendinite Patelar:
É a dor na parte da frente do joelho causada pela repetição do movimeto de extensão do joelho durante a corrida. Na maioria das vezes está relacionada com o aumento do volume de treino. Fortalecimento da musculatura da coxa é a melhor forma de prevenir este tipo de lesão.

Síndrome Patelo - femoral:
Mais comum em mulheres e corredores com velocidade mais baixa (pace de 6/km) . A dor localiza-se na região da rótula e a melhor maneira para prevenir é com o fortalecimento da musculatura da coxa.

Síndrome da Banda ílio-tibial:
É a dor na região lateral da coxa. Mais comum em mulheres e obesos. Treino em subida e rodagens longas também podem ser causas para este tipo de lesão por envolver flexões repetidas do joelho por um longo tempo. Alongamento e fortalecimento muscular dos músculos estabilizadores do quadril ajudam na prevenção da lesão.

Tendinite de Aquiles:
É a inflamação do tendão no calcanhar. Ocorre devido ao impacto causado no tendão com a corrida. A prevenção acontece com o alongamento da panturrilha e aumento gradual do volume de treino.

Canelite:
Dor na região entre o joelho e tornozelo conhecida como "canela". È causada pela pronação do pé na corrida, quando a posição do corpo fica anteriorizada ou devido a passadas muito largas. Uso de calçado adequado e fortalecimento contribui para prevenir esta lesão.

Para que essas lesões não atrapalhem sua atividade física não se esqueça :
- usar calçado adequado
- alongar e fortalecer a musculatura
- fazer exercícios educativos
-respeitar o limite do seu corpo: DESCANSAR
-se sentir dor, PARE e procure um especialista

BOAS CORRIDAS !
Carolina R. C. do Prado - Fisioterapeuta
Pós graduada em fisioterapia neuro funcional
Corredora

domingo, 5 de fevereiro de 2012

APRENDA A CORRER CORRETAMENTE

Para muitos, correr é apenas colocar um pé após o outro, não esquecendo de alterná-los.
Porém, a atenção com uma postura adequada é importante para uma melhor eficiência
mecânica, o que permite uma maior economia de energia para o movimento realizado.
Conforme a distância e a velocidade aumentam, pequenos erros na postura ficam mais
evidentes e, com isso, causam maior desperdício de energia, o que pode levar a uma fadiga
precoce. Para uma melhor eficiência mecânica é necessário analisar a mecânica dos pés à
cabeça, levando em consideração a individualidade biológica de cada um.
Todos nós gostaríamos de correr como o Marílson Gomes dos Santos, ou Franck Caldeira,
mas como isso é para poucos, vou dar algumas dicas que podem fazer você melhorar
segundos preciosos na sua próxima corrida.
Para uma melhor eficiência da respiração, amplitude e frequência da passada, é necessário
que o corredor mantenha a postura ereta, ou seja tronco reto e cabeça olhando sempre para
frente.
Pés – Procure usar totalmente os pés, do tornozelo até a região central do pé, pois à medida
que ocorre a transição do peso do corpo sobre o pé (movimento de pêndulo), o corredor terá
uma propulsão maior na fase área da corrida.
Tornozelos – Mantenha-o relaxado, para uma transição suave do peso do corpo sobre o pé e
também para diminuir o impacto do solo sobre as articulações, como tornozelo, joelho e
quadril.
Joelhos – Durante as passadas erga o joelho, pois isso irá proporcionar um melhor movimento
de pêndulo durante a corrida e com isso maior propulsão e menor impacto sobre o solo.  
Postura Correta
Braços – Os braços e as pernas devem se movimentar no mesmo ritmo, para manter o
equilíbrio dinâmico da corrida, eles devem estar soltos e relaxados, mas não devem ultrapassar
a linha medial do corpo. 
Cotovelos – Os cotovelos devem estar flexionados, porém soltos, sem fazer força, para
poderem permitir um movimento de pêndulo perfeito dos braços, pois os braços e as pernas
devem estar no mesmo ritmo.
Ombros – Para um perfeito movimento de pêndulo e os braços acompanharem o ritmo das
pernas, os ombros devem estar soltos, relaxados e paralelos ao solo. 
Cabeça – A cabeça é fundamental para a postura correta, mantenha o olhar para frente em
direção ao horizonte, mantendo essa postura fica mais fácil manter os ombros, braços, joelhos e os pés atuando de maneira correta